top
logo

 

Tomaz Ribeiro (1831-1901)

Político e poeta, nasceu em
Parada de Gonta, Tondela

 

 

 

Selo Escola Saudável 2
 

 


 


 


 

 

 

Autonomia e flexibilidade curricular

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de junho, define «Autonomia e flexibilidade curricular» como a faculdade conferida à escola para gerir o currículo dos ensinos básico e secundário, partindo das matrizes curriculares-base, assente na possibilidade de enriquecimento do currículo com os conhecimentos, capacidades e atitudes que contribuam para alcançar as competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

Assim, a escola deve estabelecer prioridades e opções curriculares estruturantes como, por exemplo, combinar componentes de currículo e de áreas disciplinares, com recurso a domínios de autonomia curricular, promovendo tempos de trabalho interdisciplinar, com possibilidade de partilha de horário entre diferentes disciplinas; alternar períodos de funcionamento disciplinar com períodos de funcionamento multidisciplinar, em trabalho colaborativo; desenvolver trabalho prático ou experimental com recurso a desdobramento de turmas ou outra organização, etc. O trabalho de natureza interdisciplinar e de articulação disciplinar deve ser operacionalizado, preferencialmente, por equipas educativas que acompanham turmas ou grupos de alunos e participam na definição das dinâmicas de trabalho pedagógico adequadas, tendo por referência as especificidades de cada turma ou grupo de alunos.


UMA ESCOLA DE TODOS E PARA TODOS
O nosso percurso no ano letivo 2020-2021

As transformações curriculares e pedagógicas tão desejadas e reclamadas na Escola surgem, não apenas porque existe um enquadramento normativo-legal que as inscreve nas políticas educativas, mas também porque, localmente, nas escolas, os alunos e professores refletem e trabalham com o objetivo de (re)desenhar a gestão do currículo de forma flexível e contextualizada. Temos assistido a um crescente debate em torno desta nova gramática escolar, nomeadamente formas, fundamentos e processos de operacionalização e avaliação pedagógica das aprendizagens. O desenvolvimento de projetos e ações pedagógicas implementados de forma inter e transdisciplinar visa a promoção de melhores aprendizagens indutoras do desenvolvimento de competências de nível mais elevado, reconhecendo-se que o exercício efetivo da autonomia e flexibilidade curricular (AFC) em educação só é plenamente garantida se o objeto dessa autonomia for o currículo.

Nesse sentido, o diretor do Agrupamento de Escolas de Tondela Tomaz Ribeiro delineou um conjunto de medidas pedagógicas que pretendem dar robustez e sustentabilidade operativa à implementação dos decretos-leis n.º 54 e n.º 55 a nível interno, priorizando, na sua linha de ação, a construção de equipas educativas e a implementação de domínios de autonomia curricular (DAC). Damos a conhecer, através da construção de um Padlet, o caminho realizado no ano letivo 2020-2021. Convidamos todos os elementos da comunidade educativa a fazer essa viagem explorando cada medida presente.


bottom


Escola Secundária de Tondela 23/09/2021